Blockchain ajudando o varejo

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinFacebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedin

Depois da operação “Carne Podre” muitos se perguntam sobre a qualidade dos produtos que estão nas gôndolas dos supermercados.

Se adiantando dos grandes varejistas, o Walmart entrou em parceria com a IBM para aplicar blockchain e ser capaz de realizar o inventário de todas as lojas e montar um registro confiável de tudo que envolve um produto: marca, fornecedor, origem e até mesmo quem foi o inspetor que autorizou sua venda. Isso vai ajudar a empresa a impedir que seus clientes adquiram produtos de baixa qualidade ou que a empresa tenha que pagar indenizações.

Ao identificar algo irregular, é possível buscar os produtos que tenham as mesmas condições e receber uma lista deles em segundos. Além de identificar os produtos, ele pode encontrar a causa raiz, o culpado pela irregularidade, impedindo que os responsáveis fujam de suas responsabilidades.

Todo esse inventário fica registrado em vários computadores ao redor do mundo simultaneamente, tornando o sistema virtualmente livre de falhas.

Essa tecnologia está sendo testada em dois produtos, carne suína na China e uma comida industrializada nos EUA. Tendo sucesso nesse teste, será implementado no mundo todo, e com isso economizar milhões de dólares identificando as irregularidades com mais agilidade e confiança. Antes do blockchain a companhia consumia quatro dias no processo.

Isso impacta diretamente na quantidade de alimentos que são descartados por suspeita de estarem com problemas, apenas por serem da mesma marca.

Se pensarmos bem, o blockchain poderia ter ajudado na operação Carne Podre, evitando a retirada de todos os produtos das empresas envolvidas.

Roberto Amaro

E-mail: contato@robertoamaro.com.br
LinkedIn: https://br.linkedin.com/in/robertotsamaro
Twitter: @robertosamaro

Related posts:


Tags: , ,

Deixe uma resposta